Roxo

em quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Descrevo o roxo como sinto:
um soluço, um escorrego na boca dum gargalo.
Tombo na noite que não conheço
minguada de estrelas.
Lua - luz néon.
O roxo é como a substância que não se sabe que estado tem se é inerte também não se sabe.
consigo escutá-lo: como o movimento da massa ante-uterina primavera, primeira, primordial.
Tenho o roxo...ele existe.
Por ora, imagens e forças somente.
Tenho-o em gestação há muitos anos, inacabado.
Roxo é ver o coração bater dentro do peito
é ver a carne pulsando
é ver o espasmo.
Roxo é estar por fora sentindo dentro.

Autor: Silvio Galvão


Nenhum comentário , comente também!

Postar um comentário