Paz

em quinta-feira, 28 de junho de 2018

Imagem: aminoapps.com
Vejo as pessoas á minha volta, uma alegria sem explicação
O mar ao longe se agita e grita meu nome;
Ao longe, gaivotas disputam o almoço,
Monte de lixo, de restos, deixados para trás;
Como sentimentos que devastam o mundo em busca de uma explicação para o isolamento, as guerras a traição.
O mar parece tão tranquilo como uma criança
Ás vezes o percebo por algum bagulho isolado ou uma onda que se quebra mais forte em busca de atenção;
Vim para cá em busca de paz, de ausência de pessoas
Que como você, me deixam confusas
Sem vontade de escrever...
O lápis desenha no papel seus olhos e não consigo descrever em palavras a raiva que sinto de você neste momento.
A mágoa corrói a beleza do lugar,
E fico imaginando como consegues seguir sorrindo.
Faz alguns minutos que desliguei o telefone e ouvi sua voz...
Mas ainda escuto a sua risada de coisas tolas que eu disse, para disfarçar a vontade de dizer Te Amo...
De tentar descobrir por que não conseguiu permanecer ao meu lado...
Vou levar um tempo para te esquecer, tracei planos de felicidades.
Vou tentar escrever, se você permitir e sair dos meus pensamentos agora.
Como sempre, me despeço de você como um beijo de boa noite e como se já estivesse dormindo, nunca me responde...
Deixe-me agora, minha tristeza já se findou por hoje, deixe-me contemplar a natureza que urge a minha frente sem imaginar você aqui!
Fer Biazus

Nenhum comentário , comente também!

Postar um comentário