CORRESPONDÊNCIAS

em domingo, 28 de janeiro de 2018

A natureza é um templo onde vivos pilares
Podem deixar ouvir confusas vozes: e estas

Fazem o homem passar através de florestas

De símbolos que o vêem com olhos familiares.

Como os ecos do além confundem os rumores

Na mais profunda e tenebrosa unidade,
Tão vasta como a noite e como a claridade
Harmonizam-se os sons, os perfumes e as cores.

Há perfumes frescos como carnes de criança
Doces como oboés, ou verdes como as campinas.
E outros, corrompidos, mas ricos e triunfantes

Que possuem a efusão das coisas infinitas
Como o sândalo, o almíscar, o benjoim e o incenso,
Que cantam o êxtase, do espírito e dos sentidos.


Charles Baudelaire


Nenhum comentário , comente também!

Postar um comentário