SONETO À MANEIRA DE CAMÕES

em sábado, 27 de outubro de 2018


Esperança e desespero de alimento

Me servem neste dia em que te espero
E já não sei se quero ou se não quero
Tão longe de razões é meu tormento.
Mas como usar amor de entendimento?

Daquilo que te peço desespero
Ainda que mo dês - pois o que eu quero
Ninguém o dá senão por um momento.

Mas como és belo, amor, de não durares,
De ser tão breve e fundo o teu engano,
E de eu te possuir sem tu te dares.
Amor perfeito dado a um ser humano:
Também morre o florir de mil pomares
E se quebram as ondas no oceano. 


Sophia de Mello Breyner Andresen

Nenhum comentário , comente também!

Postar um comentário